Botequim ordinário, onde se vendia o café a dez reis cada xícara.

20
Jul 12

O Primeiro não pactuava com a mesquinhez destas gentes, embora patrício, vinha doutras terras e havia lidado com pessoas doutro jaez, não entrava em jogos locais, em consequência só se aguentou três anos. Partiu em 1979. Veio o Segundo, já com a prática adquirida como político do Estado Novo. E foi como as Duracel, aguentou-se tempo demais, ajudando esta Terra a atingir o estado em que se encontra. O Segundo, para lançar o Terceiro, ausentou-se durante um ano, alegando doença. Então avançou o Terceiro. Mas para não perder o posto, o Segundo teve que retomar os trabalhos. Negociou  com o Boticas a cedência do seu lugar, garantiu-lhe uma posta para um familiar e concedeu-lhe ainda uma choruda indemnização. E o Boticas regressou às margens do Tejo. Deste modo pôde chamar o Terceiro para a sua companhia, definitivamente, dando-lhe imensa visibilidade perante os nativos. Entretanto, pelo caminho, o Terceiro foi arranjando na sociedade civil uns lugares de muita projecção,  presidente disto e daquilo e morador na Casa, já que o Segundo saiu para que ele fosse para lá viver. O Terceiro tornou-se de tal maneira conhecido, embora sendo africano, que facilmente ocupou o lugar do Segundo que, finalmente, resolveu ir gozar a reforma pública, improvável se tivesse continuado a gerir  o seu grupo de empresas. É uma garantia para um futuro sem sobressaltos arranjar-se um substituto da mesma cor. Um descendente com outro colorido  poderá tornar-se uma carga de trabalhos. Existe sempre a grande tentação de fazer auditorias às contas dos antecessores e nessas situações nunca se sabe que coelhos podem saltar da cartola. As leis criadas pelo Sócrates vão obrigar o Terceiro a deixar o poleiro. Mas arranjou o Candidato, pessoa bem formada e da sua confiança, que significa o descanso para o resto da vida. O Candidato, tal como o Terceiro havia feito, foi arranjando umas presidências aqui e acolá, importantes pelos contactos que dão e decidiu viver na Casa, que o Terceiro lhe cedeu,  tudo para o tornar ainda mais conhecido. Para quem desconhece a importância da Casa é suficiente referir o número de pessoas que alberga entre residentes e colaboradores. Apesar de ser nativo o Candidato não gozava de grande simpatia entre os patrícios, daí a importânia destes takes. Para o filme atingir o seu final faltava filmar as últimas cenas. Não agiu o Terceiro como o Segundo, isto é, não se socorreu de um atestado de doença, mas tem grandes ausências da Terra, sabe-se lá por onde anda, deixando o campo aberto ao Candidato, que vai desempenhando  primorosamente, aos olhos dos residentes,  as funções do ausente Terceiro. Não será difícil, portanto, venha quem vier, no Outono de 2013, o Candidato conquistar o lugar do Terceiro. O Candidato, aos olhos de todos, ainda é melhor que o Terceiro. Estamos face ao um remake do filme original e se o  end não for alterado esta Terra ficará mais próxima da agonia final.

 

Carlos Canas 

publicado por Café de Lepes às 09:57

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10


24
25
27
28

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

GERÊNCIA
Carlos Canas * David Pires * Julião Mora * Marco Almeida* Mário Aleixo * Tiago Paisana * Tomás Salavisa
blogs SAPO