Botequim ordinário, onde se vendia o café a dez reis cada xícara.

09
Mar 13

POEMA DA VOZ QUE ESCUTA

 

Chamam-me lá em baixo.

São as coisas que não puderam decorar-me:

As que ficaram a mirar-me longamente

E não acreditaram;

As que sem coração, no relâmpago do grito,

Não puderam colher-me

Chamam-me lá em baixo,

Quase ao nível do mar, quase á beira do mar,

Onde a multidão formiga

Sem saber nadar.

 

...

 

Selecção de Poemas - Tomás Salavisa

publicado por Café de Lepes às 18:03

Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
15

18
19
20

24
25
26
27
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

GERÊNCIA
Carlos Canas * David Pires * Julião Mora * Marco Almeida* Mário Aleixo * Tiago Paisana * Tomás Salavisa
blogs SAPO